Com a pandemia, um dos maiores desafios é como fazer com que grande parte das mulheres das favelas, muitas delas diaristas, manicures, comerciantes informais, responsáveis pelo sustento de suas famílias, continuem obtendo renda.

Uma decisão criativa e eficiente, foi tomada pela oficina de capacitação “Costurando Sonhos”, em Paraisópolis, onde 20 máquinas de costura foram realocadas nas casas das alunas costureiras. Dessa forma, 20 mulheres estão conseguindo manter suas casas trabalhando em quarentena.

A iniciativa chamada  “Home Office das Costureiras das Favelas do Brasil” busca trazer trabalhos de pequenas empresas para que esse grupo continue gerando renda.. Estão costurando muitas máscaras de tecido e até eco bags. Está dando tão certo que  a ideia é replicar em outras comunidades, como Capão Redondo e Heliópolis.

 

Fonte: Folha de São Paulo