O Instituto ATÁ é uma organização brasileira que se dedica à relação do homem com o alimento. Idealizado por um  grupo de lideranças da sociedade civil e do mundo empresarial, incluindo nomes como o chef Alex Atala, Beto Ricardo (Instituto Socioambiental) e Roberto Smeraldi (Amigos da Terra, Amazônia Brasileira), a missão do Instituto é “aproximar o saber do comer, o comer do cozinhar, o cozinhar do produzir, o produzir do ambiente”.

O instituto tem objetivo de dar visibilidade a ingredientes com potencial gastronômico,  produtos pouco conhecidos da biodiversidade brasileira. Em 2015 em parceria com a prefeitura de São Paulo,o instituto  firmou projeto que desde então fixou 4 boxes no mercado municipal de pinheiros. Os boxes são especializados nos biomas, amazônia, mata atlântica, cerrado, caatinga e pampas.

A pimenta Baniwa Jiquita, em uma ação conjunta com organização indígena da bacia do Içana e do instituto socioambiental, esta sendo introduzida no mercado. Também conhecida como pimenta com sal, é produzida pelas mulheres da tribo Baniwa. Além de ser mais um ingrediente fascinante para a gastronomia, faz parte da defesa da cultura feminina do roçado, um sistema agrícola indígena do rio negro, tombado como patrimônio cultural do brasil.

O mel das abelhas nativas, com propriedades medicinais e grande potencial gastronômico. Este produto ainda pode gerar renda para a população carente da região. Abelhas são indicadoras de biomas saudáveis.

A baunilha do cerrado, ainda em estado selvagem, não domesticada. O instituto pretende desenvolver a domesticação e a estruturação de um consórcio de famílias na área do cerrado, gerando complemento de receita a população. A baunilha é apreciada por todas as culturas em todos os cantos do planeta.

Fazendo um trabalho essencial com produtos e produtores da biodiversidade brasileira, o instituto SELO Origens, trabalha na conexão que valoriza as raízes do país. O objetivo é gerar transparência e e consciência sobre a origem da produção que consumimos. Alem disso coloca luz a relações comerciais éticas e apoiam redes colaborativas de trabalho.

 

fontes: Instituto ATA, Origens Brasil