Dia do controle da poluição por uso de agrotóxicos

No meio ambientalista, o dia 11 de janeiro, é celebrado para combater e fazer uma reflexão sobre o uso indiscriminado de agrotóxicos. Esta pratica quando mal realizada prejudica a saúde de quem planta e de quem consome os alimentos além de impactar negativamente o meio ambiente. De acordo com dados da Empresa de Pesquisa Agropecuária (Embrapa), o uso de agrotóxicos nas lavouras brasileiras aumentou mais de 400% nos últimos 40 anos. O Brasil é um dos primeiros países colocados no ranking mundial do consumo de agrotóxicos. O resultado é a contaminação do meio ambiente, dos alimentos de produtores e consumidores, a redução da biodiversidade e a morte de insetos polinizadores (abelhas e outros).

De acordo com a UNESCO, cerca de 15% de todas as doenças tem origem por envenenamento proveniente de algum elemento químico ou pesticidas usados na produção vegetal. Atualmente a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (ANVISA) destaca, em ordem de maior exposição a agrotóxicos, o pimentão, a cenoura, o morango, o pepino e a alface como refeições mais perigosas a saúde. Dependendo do tipo de agrotóxico ingerido pelo homem, pode acarretar em graves danos à saúde e até mesmo levar a morte. Entre os problemas mais recorrentes estão as lesões nos rins, cânceres, redução da fecundidade, problemas no sistema nervoso, convulsões e envenenamento.

Com as chuvas, os agrotóxicos escorrem para os rios e lençóis freáticos, contaminando a água que tanto animas quanto seres humanos bebem. Entre as principais doenças causadas pelo solo contaminado estão o amarelão, a teníase e uma variedade enorme de outras doenças verminoses.

A secretaria do Meio Ambiente (SMA) e a Companhia Ambiental do Estado de São Paulo (Cetesb) há tempos desenvolvem ações nesse sentido, entre elas, a correta destinação das embalagens de agrotóxicos preservando a biodiversidade.

Diante de tantos problemas causados pelos agrotóxicos, é fundamental que haja um descarte adequado e que a aplicação desses produtos seja feita de maneira prudente e rigorosa. Além disso, é importante que novas maneiras de proteger as culturas agrícolas sejam criadas com vistas a diminuir os impactos ambientais e os riscos á saúde dos seres vivos. Repensar a pegada ambiental que está deixando no planeta é essencial para a própria colheita do que iremos viver no futuro.