O mercado de pós consumo de moda como uma forte potência para gerar novos negócios.

Nos últimos anos temos acompanhado uma crescente no surgimento de novas possibilidades para a comercialização de usados e o setor da moda ganha destaque entre os mais procurados.

Segundo dados levantados pelo SEBRAE,  entre 2010 e 2015, o número de brechós no Brasil aumentou cerca de 210%. Esse boom aconteceu juntamente com o crescimento do mercado de produtos de segunda mão, que entre 2013 e 2015, aumentou mais de 20%.

São diversos os motivos que levam o mercado de pós consumo deslanchar e e ganhar destaque em diversas cidades pelo Brasil.

Seja por uma grande onda de informações relatando as problemáticas causadas pelo nosso consumo acelerado, seja pela busca de melhores oportunidades e valores, ou até mesmo pela procura por peças diferenciadas e que estejam na contra mão do grande varejo (onde milhares de peças iguais são produzidas todos os dias) a verdade é que os Brechós estão se tornando referência quando buscamos uma nova peça de roupa.

Nunca antes questionamos tanto nossos hábitos de consumo. Pela primeira vez, estamos desafiando nossos métodos de produção e tendo acesso à números, relatórios e consequências dramáticas causadas por nossa forma de consumir.

Só para se ter uma ideia, chegamos à 2019 com os seguintes dados:

Produzimos cerca de 80 bilhões de novas peças, a cada ano;

Utilizamos nossas roupas por cerca de 6 meses. Depois as descartamos;

A indústria da moda está entre as 4 maiores poluentes do mundo! Devido à processos produtivos de alto impacto ambiental e ao descarte indevido de suas peças;

Cerca de 80% de todas as peças que descartamos, poderiam continuar sendo utilizadas.

Quando falamos em questões econômicas, também percebemos novas possibilidades para o crescimento desse setor. Nos últimos anos, foram inúmeras as instabilidades econômicas – no mundo todo – que podem ter contribuído para a procura por itens usados. Isso pode ser refletido em cada uma das classes econômicas, uma vez que vemos brechós e bazares crescendo em bairros mais pobres (como forma de geração de renda e aquisição de peças de menor valor) e também, do alto número de brechós destinados ao alto luxo, onde peças de grandes marcas são comercializadas por valores mais acessíveis e que desafiam as oscilações de quem está acostumado a comprar em dólar.

Segundo um relatório realizado pela empresa Global Data, em 2018 o mercado de pós consumo movimentou um valor estimado de US$24 bilhões no mundo todo. E as expectativas continuam otimistas! Espera-se que esse valor dobre, até 2023, chegando à US$51 bilhões.

Dentre os que mais compram produtos usados, estão os Millenials e a Geração Z – pessoas que tem entre 18 e 37 anos. O aumento de consumo de produtos de segunda mão para as duas gerações foi de: 37% e 46%, respectivamente e um levantamento realizado pela ThreadUp mostra que, em 2019, 1 em cada 3 jovens da Geração Z comprou algo do mercado de pós consumo.

Se você ainda acha que consumir em Brechós é coisa de gente sem poder aquisitivo ou somente comprar roupa de quem já morreu, está na hora de deixar o preconceito de lado e investir nesse novo modelo de negócio.

Fonte: Global Data | Bain & Company | The Guardian | Fundação Ellen MacArthur | Sebrae

Foto: Pexels