O ato de impactar positivamente o ambiente em que vivemos, pode se dar de diversas maneiras. Recentemente um estudo mostrou que o apoio e o incentivo ao estudo são fundamentais nos resultados escolares da maioria dos estudantes.

Uma pesquisa da Universidade de Indiana, nos Estados Unidos, que entrevistou mais de 15 mil alunos, mostrou que estudantes que recebem apoio e incentivo constante, obtêm melhores resultados. As cientistas notaram os alunos  que eram encorajados a estudar tinham notas melhores. De acordo com as pesquisadoras o motivo está em como os professores avaliam a “inteligência”.

Foram ouvidos  150 professores de disciplinas relacionadas à ciência, tecnologia, engenharia e matemática (STEM, na sigla em inglês). Segundo a pesquisa todos os professores, independente de idade, gênero ou origem étnica, tendem a acreditar que a inteligência é uma condição que não muda facilmente. Ou a pessoa nasce inteligente ou na maioria dos casos nunca será.

“Nós notamos que a mentalidade fixa não é uma exclusividade de [professores de] certas disciplinas. Em vez disso, ela parece estar distribuída de maneira relativamente uniforme entre os docentes de STEM, sugerindo que os efeitos negativos dessa forma de pensar podem ser encontrados até mesmo em diferentes departamentos, faculdades e provavelmente outras universidades”, dizem.

Segundo mostrou o estudo, os mais prejudicados por esse tipo de pensamento são o grupo de minorias, ou seja, os alunos negros, latinos e nativos americanos. Eles geralmente apresentam notas mais baixas quando frequentam aulas onde os professores possuem uma “ideia fixa” sobre inteligência. Comparando com os alunos brancos e asiáticos, o rendimento costuma ser até duas vezes pior. Quando os professores reforçam estereótipos raciais , como dizer que asiáticos são melhores em matemática, por exemplo, os resultados são ainda piores.

Isso explica a ausência de minorias ocupando cargos de trabalho na área científica. Analisando os fatos,os alunos que não são incentivados a estudar, são os  que tiram as notas mais baixas, perdendo interesse pelo assunto e acabam não seguindo carreira na área.

De acordo com as autoras, os professores são peças fundamentais para a mudança desta situação e devem incentivar o crescimento intelectual dos alunos em geral. “Se mais professores criarem a mentalidade maleável em suas aulas, isso pode aumentar a motivação e o engajamento dos alunos em disciplinas STEM — potencialmente inspirando mais alunos a buscar carreiras na área”, afirmam.

 

Fonte: Revista Galileu