Representatividade importa e faz toda diferença. Grandes marcas de diversos setores estão se conectando cada vez mais com o meio em que vivemos e mudando o comportamento diante do mercado. É necessário um posicionamento que inclua a diversidade e a pluralidade dos seres. Nos meios de comunicação e na publicidade a presença de negros comparado ao percentual de habitantes da etnia é quase nula.  Na infância período onde se forma a personalidade e acontece o despertar para algumas questões. Se sentir representado é fundamental para a formação do indivíduo e muitas vezes serve de inspiração.

Desta vez o autor Maurício de Souza, colocou na capa do gibi em quadrinhos “A Turma da Mônica” pela primeira vez em quase seis décadas de existência, uma família negra. Em 2017 a personagem Milena ganhou vida. Uma menina negra de cabelo cacheado, descrita como cheia de atitude, apaixonada por música e futebol. Um ano depois novos personagens foram incluídos dando uma família a Milena. A música é o que move a família da jovem fazendo justiça ao sobrenome Sustenido. Doriva, Renato (pai), Fabinho (irmão) Solange (irmã), Laurinda e Silvia, a sua mãe, uma veterinária. “Milena foi criada para reforçar a representatividade das meninas negras nos quadrinhos, animações e eventos live action, para que elas se vejam nas histórias e saibam desde cedo que são do donas da rua”, declarou Mônica Sousa, diretora executiva da MSP.

Colaborar para mais diversidade no campo de representatividade negra, contribui também para que crianças negras ampliem sua percepção de futuro, ressignificando a imagem depreciativa criada pela cultura hegemônica e se tornando inspiração para que esses pequenos não sigam somente os estereótipos esperados para o negro na sociedade.

Fonte:  Mundo Negro