Artigo: por Mônica Rocha

Vivemos um momento de repensar nossos hábitos. Somos a geração que está passando por essa transição de um consumo desenfreado para um consumo mais consciente e acima de tudo priorizando e reavaliando gastos. Nessa nova realidade os brechós on line vêm crescendo muito no Brasil e no mundo e são uma ótima alternativa para os consumidores e também para promover uma moda mais sustentável. Nãó é a toa que plataformas como o Enjoei abriram seu capital em novembro de 2020 e já operam na Bolsa de Valores. Nesse artigo vamos conhecer um pouco mais sobre esse universo.

Você sabe como surgiram os brechós?

Para alguns historiadores a origem dos brechós está intimamente ligada aos mercados ao ar livre que aconteciam na Europa no inicío do Século XIX. Eram feiras livres em que qualquer pessoa podia vender e comprar  objetos e roupas usadas. Como a preocupação com a higiene era praticamente inexistente, era comum nas roupas a presença de animais como as pulgas. Por isso essas feiras ficaram conhecidas como “mercado de pulgas”. Até hoje muitos desses mercados existem e são bem famosos como o Portobello Road Market em Notting Hill , Londres.

Aqui no Brasil, aprimeira loja de venda de roupas usadas e objetos de segunda mão, surgiu no Rio de Janeiro no Século XIX. O fundador era um português chamado Belchior, daí a origem do nome brechó (as pessoas tinham dificuldade em pronunciar o nome corretamente). Durante muito tempo para os brasileiros esse tipo de loja foi associado à sujeira, “roupa de defunto”, “fora de moda” e até a doenças. Hoje esse tabu já foi superado e roupa de segunda mão virou um item desejado e relacionado à moda, a memórias e a sustentabilidade.

Mas por que os brechós são uma ótima opção para os consumidores?

Em primeiro pelo preço das peças se comparadas a itens novos. Esse pode ser considerado o principal atrativo. Já pensou em comprar uma bolsa daquela marca caríssima por um preço que cabe no seu bolso? Pois é, nos brechós é possível encontrar muitos produtos de qualidade por um valor mais acessível. Segunda vantagem é a diversidade de produtos que você pode encontrar, muitas vezes verdadeiros achados, peças únicas, quase que exclusivas, que nas lojas convencionais seria impossível de encontrar. Terceiro, se determinada peça está num brechó significa que ela tem um atributo mais durável, não é a toa que já foi usada por um tempo por pelo menos uma pessoa. Cada vez mais o consumidor está procurando por roupas que durem mais nos seus armários. E por fim, você pode também vender suas peças de roupas e assim aproveitar esse crédito para comprar outrons itens. Interessante, né?

De acordo com Manuela Correia , co-fundadora do Desencalha, um brechó baiano 100% on line,

“Estamos vivendo em uma nova era da moda voltada para um consumo mais consciente e inteligente. O nosso lema é circular roupas ressignificando histórias.”

Manuela nos conta que ela e a sua sócia, Francine Ribeiro, fazem a curadoria de peças de terceiros por consignação.

“ Ao vender, nós ganhamos e nosso fornecedor/parceiro ganha, e juntos contribuimos para um futuro melhor!” , afirma a empresária.

Mesmo a moda sustentável tem que considerar que moda é desejo e de acordo com Sâmara Merrighi, founder da Wabi:

“O primeiro aspecto no momento do consumo de uma roupa é a identificação através do corte, do estilo, do tecido, das cores. A sustentabilidade entra na esfera racional e a primeira impressão é sempre emocional. Por isso, a Wabi aposta em uma estratégia de comunicação baseada na criação de “novas histórias para peças de roupa 2nd Hand”.

Para criar essa atmosfera de desejo nas peças que a Wabi revende, a empresa aposta em uma estratégia que apresenta suas peças através de uma imagem de moda exclusiva, criada para cada coleção. Além das imagens conceito o conteúdo produzido pelo brecho on line, a Wabi conta com editoriais com informações de moda, sustentabilidade, iniciativas sustentáveis dentro das marcas de luxo e inovação na moda. Tudo muito bem pensado e desenvolvido para um para um público seleto que sabe o que quer.

Mas por quê comprar em brechó é mais sustentável?

A indústria da moda é a segunda maior poluente. Cada peça de roupa carrega em si além dos custos visíveis ( matéria-prima, mão de obra, energia, por exemplo)  o custo invisível de produção ( poluição dos rios, contaminação e desagaste do solo pelo cultivo de monoculturas como algodão, emissão de gases de efeito estufa, uso de recursos não renováveis, como os derivados de petróleo).

Para entender melhor vamos conhecer um conceito que tem tudo a ver com brechós: a Economia Circular.

Segundo a Ellen Macarthur Foundation ,

“ A economia circular é uma alternativa atraente que busca redefinir a noção de crescimento, com foco em benefícios para toda a sociedade. Isto envolve dissociar a atividade econômica do consumo de recursos finitos, e eliminar resíduos do sistema. Ele se baseia em três princípios:

  • Eliminar resíduos e poluição desde o princípio;
  • Manter produtos e materiais em uso;
  • Regenerar sistemas naturais.”

É no segundo princípio da economia Circular que os brechós se enquadram. Cada vez que você compra uma peça de segunda mão, você está mantendo aquele produto em uso por mais tempo e consequentemente prologando o seu ciclo de vida.

Importante destacar que o público já está prestando mais atenção a questão da sustentabilidade e percebendo que os brechós são uma ótima alternativa para os consumidores. Segundo pesquisa realizada pela consultoria internacional Boston Consulting Group(BCG) 70% dos entrevistados – 7000 pessos, em seis países – , o caráter sustentável desse mercado, acentuado durante a pandemia, é o primeiro motivo para a compra.

Quais são as inovações desse segmento?

Foi se o tempo em que brechó era aquela lojinha escondia, com um amontoado de roupas nas araras, sem nenhum visual merchandising. Hoje podemos comprar peças de segunda mão com apenas alguns cliques. Sites, lojas virtuais no instagram e até app oferecem esse tipo de produto acompanhando a tendência do mercado de varejo de moda de comprar cada vez mais on line.

O Enjoei , por exemplo, é o app mais conhecido e que está bombando no mercado. Criado em 2009 ele facilita esse mercado de compra e venda de objetos e roupas usadas criando um poderoso market place. Quem quer vender algo, cria facilmente um anúncio e quem quer comprar acessa a função “eu quero” e é direcionado aos itens que estão a venda. Tudo isso de forma fácil e gratuita. Se a venda contecer aí sim é  cobrado, uma taxa de 20% do valor do produto e uma taxa  de venda. Ficou com vontade de fazer aquela limpa no guarda-roupa, né? Você vai ficar surpreso com a quantidade de itens que você já deve ter enjoado e com o “dinheiro” que está parado no seu armário!

Certamente, não tem como negar que os brechós estão cada vez mais ganhando espaço no mercado da moda.

Nos próximos cinco anos, o crescimento é estimando entre 15% e 20%. Segundo a BCG, em 2023 27% dos guarda-roupas dos consumidores terão um item de segunda mão.

Como podemos ver nesse artigo, os brechós são uma ótima alternativa para os consumidores pois oferecem inúmeras vantagens, desde preço mais acessíveis a diversidade de produtos. Sem falar no impacto positivo deste segmento para o meio ambiente. Fico feliz em saber que eles, agora também no formato on line, são uma realidade e um exemplo de que é possível buscar alternativas mais sustentáveis de negócios que seja bom tanto para as pessoas, como para o nosso planeta. Além movimentar a economia, gerando renda, empregos e fazendo circular roupas contribuindo para uma economia circular.

Confesso que depois de escrever esse artigo, fiquei com muita vontade de fazer um outra visitinha no meu guarda-roupa e desapegar das peças que enjoei e quem sabe fazer um “dinheirinho” e ainda por cima poder comprar alguma peça desejo bem vintage? Aliás, quem quiser dicas sobre como fazer a “faxina” no seu armário, pode acessar o meu artigo https://bahianoar.com/como-construir-o-seu-guarda-roupa-inteligente/ com muitas dicas que vão te ajudar nesse processo.

Em suma, adorei escrever sobre esse universo e já estou animada para explorar os brechós on line!

E você? Vamos fazer circular essas peças encalhadas do seu armário?

publicação original bahianoar.com