Dia 22 de março é celebrado o dia mundial da água. Durante todo o mês, vamos compartilhar dados, notícias e informações sobre esse bem tão precioso para todos nós.

Hoje, trazemos alguns dados importantes sobre a água e nossa relação de consumo e cuidado.

Segundo a UNICEF (Fundo das Nações Unidas para a Infância), menos da metade da população mundial tem acesso à água potável. São cerca de 2,2 BILHÕES de pessoas que não acesso à água limpa e própria para consumo.

De toda a água disponível em nosso planeta, estima-se que:

73% do consumo de água seja destinada para a irrigação;

21% seja utilizada na indústria;

6% (apenas) é destinada para o consumo doméstico;

Cerca de 1,8 milhões de pessoas (uma média de 43% da população mundial) não contam com serviços de saneamento básico.

Os números relatam às condições precárias que inúmeras pessoas do mundo todo estão sujeitas a viver. O que as coloca em risco eminente a todo e qualquer tipo de doenças causadas pela ingestão e contato de água não tratada.

A crise hídrica sempre foi tema de diversas discussões no mundo e, hoje, mais do que nunca, vem sendo um assunto recorrente quando falamos sobre SUSTENTABILIDADE  e continuidade de nossa existência.

Com todo o crescimento populacional e as transformações entre produção, consumo e estilo de vida, a água se tornou alvo principal quando se trata de impactos. Como trazido acima, entre irrigação (destinada por exemplo para cultivo de matérias primas e alimento) e indústria (responsável por produzir tudo que utilizamos hoje), fica fácil perceber que estamos demandando de uma quantidade insustentável desse bem.

Temos a maior parte de nossas águas destinadas à produção de bens de consumo e alimentos. 

Estima-se que, cerca de 400 regiões do planeta já sofrem com a falta de água – Relatório World Resources Institute (WRI).

Esse número nos traz clareza para compreender ainda mais sobre as migrações de milhares de pessoas por todo o planeta, causadas pela CRISE CLIMÁTICA. De acordo com a Convenção das Nações Unidas para o Combate à Desertificação, a falta de água em alguns lugares áridos e semiáridos poderá ser responsável pelo deslocamento de 24 milhões a 700 milhões de pessoas até 2030. Estima-se que aproximadamente 65 MILHÕES de pessoas estejam fora de seu território de origem por conta de algum problema relacionado à crise climática – dado trazido pelo jornal The New York Times.

No Brasil, apesar dos inúmeros problemas causados pela complexa distribuição e administração da água, não temos esse cenário tão aterrorizante. Vivemos uma certa “abundância” perto de outros territórios. O que talvez possa prevalecer em nossas mentes quando fazemos um mal uso desse recurso tão importante para nossa sobrevivência.

Segundo a Agência Nacional de Águas (ANA), o Brasil possui cerca de 12% da disponibilidade de água doce do planeta. O que parece muito promissor num primeiro momento, mas pode não ser o suficiente para frear um possível stress hídrico.

Nosso território tem a distribuição de água de forma deficiente onde: na região Norte, temos 80% do recurso disponível e somente 5% da população vivendo por lá. Enquanto que, em regiões costeiras, temos somente 3% dos recursos para atender uma média de 45% da população.

O relatório “Água: biodiversidade, serviços ecossistêmicos e bem-estar humano no Brasil” – lançado durante o 15º Congresso Brasileiro de Limnologia, em Florianópolis SC, mostrou que o Brasil pode ter mais de 74 milhões de pessoas passando por algum problema de falta de água até 2035.

Precisamos de água para nos mantermos vivos. Precismos nos unir em prol desse bem e cuidarmos para que ele possa continuar existindo e possa ser do alcance de todos.

Vamos juntos?

Para saber mais sobre a relação entre ÁGUA e MODA, confira esse post sobre a AMPA e acesse também amodapelaagua.com.br

Foto: Pexels

Fonte: ONU | CETESB | ANA