*Com informações da Fundação Amazonas Sustentável

Formada pelos quatro ensaios fotográficos diferentes, cada um com modelos, fotógrafos e personagens místicos distintos, a campanha “Rios Limpos para Mares Limpos”, da FAS com a ONU Meio Ambiente, foi lançada simbolicamente no sábado 29 de setembro, junto com a limpeza do igarapé do Tarumã durante o evento Grito D’Água, no flutuante Abaré SUP and FOOD, na orla Oeste de Manaus, e em mobilização pelo Dia Mundial dos Rios, que é comemorado no domingo (30).

Mais de 8 bilhões de toneladas métricas de plásticos e resíduos sintéticos foram produzidos nos últimos 50 anos no Planeta Terra. Grande parte despejada dentro de igarapés, rios e mares. Esse é o alerta feito pela mobilização “Rios Limpos para Mares Limpos”, lançada em Manaus, pela Fundação Amazonas Sustentável (FAS) com objetivo de sensibilizar a população a mudar hábitos de jogar lixo dentro de cursos d’água. A ação tem apoio da ONU Meio Ambiente.

Por meio de um ensaio fotográfico dramático, e sob a lente sensível de quatro fotógrafos renomados – Bruno Kelly, Rodrigo Tomzhinsky, Maiara Gonçalves e Matheus Belém – um time de quatro modelos ativistas, também de peso, encarnou seres místicos e encantados da Amazônia profunda para conscientizar contra a poluição dos igarapés, rios e mares. A Miss Brasil 2018, a amazonense Mayra Dias, foi a Ninfa do Rio Negro, o ator e ambientalista Victor Fasano, conselheiro da FAS, representou a Cobra Honorato, a performer e drag amazônica Uýra Sodoma a energia do caos e a professora, artesão e líder ribeirinha Izolena Garrido a Mãe D’Água.

A partir do dia 30 de setembro, e pelos próximos três finais de semana de outubro, um novo ensaio fotográfico é lançado e os personagens místicos assumem o protagonismo da campanha contra a poluição dos rios. “A poluição dos igarapés, rios e mares inviabilizaria a vida de todas as cadeias alimentares. É preciso, por meio de mobilizações chamar atenção para que possamos reduzir a zero o lixo que vai do rio ao mar, e para que a sociedade tome atitude não apenas nos resíduos gerados, mas contribua evitando o consumo de plásticos e canudos, uma ameaça a nossa própria espécie”, explica o ator Victor Fasano.

E a situação na capital manauara é dramática: de 1.600 córregos localizados na cidade de Manaus, 1.600 estão poluídos. Não existe nenhum que esteja totalmente salvo, o lixo consumiu tudo.

Cobra-Honorato, criatura lendária e senhor que vive nas profundidades dos rios da Amazônia, é representado pelo ator Victor Fasano com intuito de promover a conscientização sobre a qualidade de nossos recursos hídricos e fluviais. “O teu lixo mata a água e a ti mesmo”, Honorato nos alerta e suplica.

Fotografado por Rodrigo Tomzhinsky em uma ilha por entre a imensidão do Rio Negro, o ator sucumbe à poluição encarnando o personagem mitológico, sufocado por lixo e decadência. O anseio é por uma Amazônia com rios vivos. Por um mundo que queira rios e mares limpos.

Ele, a líder da agenda de educação ambiental da FAS, Maiara Gonçalves e Emerson Pontes, biólogo que atua como arte-educador na ONG e dá vida à drag amazônica Uýra Sodoma, uma das modelos da campanha, pensaram juntos em todo o projeto desde o início. “O objetivo é trazer aos olhos da sociedade um problema sério e que tem ficado invisível: a poluição e morte das águas que rodeiam a nossa vida. Como a gente pensou isso? Trazer um retrato desse rio poluído, e um retrato dessa força real e sobrenatural que existe relacionada aos rios. Por isso convocamos esses quatro seres encantados da Amazônia como representação dessa força e da vida real se sobrenatural presente nos rios da Amazônia”, explicou.

As fotos, produzidas em momentos diferentes entre os meses de junho a setembro deste ano, e em cenários de locais onde há poluição das águas, como igarapés urbanos de Manaus e em praias de comunidades ribeirinhas, serão colocadas em espaços públicos da capital amazonense de chegada e saída de rios, como portos e marinas fluviais. “São pontos de chegada e saída dos rios, lugares de ampla circulação e de trânsito de pessoas como a Marina do David, o porto da Manaus Moderna e o porto da Ceasa”, ressaltou Emerson Pontes/Uýra Sodoma.