A Rede Brasil do Pacto Global realizou nesta terça feira (10/03/2020) o lançamento da Estratégia 2030.

Construída desde julho de 2019 em parceria com a consultoria Falconi, a Estratégia 2030 funciona como uma espécie um plano estratégico que deve nortear a condução dos processos de cada empresa durante a próxima década. A Estratégia tem a missão de gerar um impacto efetivo em ações empresarias, através das metas estabelecidas a partir do ODS, tendo clareza  e prioridade para que possam trabalhar os impactos sociais, ambientais e de governança de forma positiva.

REDE BRASIL DO PACTO GLOBAL - ECOERA

Para que isso aconteça, ela contempla cinco frentes de ação:

Projetos com Impacto Mensurável nas Metas dos ODS: desenvolvimento de projetos cujas metas estão relacionadas diretamente às metas dos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável;

Evolução do Modelo de Negócio: inserção dos ODS nas estratégias de negócios das empresas, fazendo com que a sustentabilidade esteja presente em todos os seus processos;

Participação em Fóruns de Discussão: tornar a Rede Brasil uma referência internacional em sustentabilidade, proporcionando às empresas a possibilidade de participar de fóruns de discussão e movimentos globais;

Parcerias e Projetos Regionais: Ampliação de parcerias e atuação por região, conduzindo projetos em ecossistemas e com startups, além de gerar aproximação com a academia, com a sociedade civil e atuar regionalmente através da criação de hubs;

Engajamento da Cadeia de Valor: Engajamento de PMEs das cadeias de valor das grandes empresas que integram a Rede Brasil e desenvolvimento de plataformas online para a capacitação deste público.

Nossa criadora, Chiara Gadaleta é embaixadora do Pacto Global aqui no Brasil, e o time Ecoera foi prestigiar esse momento tão importante para avançarmos no cumprimento de metas e direcionamentos em prol de caminhos mais sustentáveis.

REDE BRASIL DO PACTO GLOBAL - ECOERA

Para o encontro, foram convidados profissionais de diversos setores envolvidos na concepção da Estratégia e, também, empresas que estão à frente de conduzir seus processos de acordo com os Objetivos estabelecidos.

Entre os convidados, estiveram: por Rodolfo Sirol, presidente do conselho Rede Brasil do Pacto Global; Carlo Pereira, diretor executivo da Rede Pacto Brasil; Viviane Martins, CEO da Falconi; Cristina Palmaka, presidente da SAP no Brasil; Carlos Takahashi, CEO da Black Rock no Brasil; Guilherme Weege, presidente do Grupo Malwee; Luiz Sanchez, presidente do conselho da AlmapBBDO; Eduardo Fischer, CEO da MRV; Karine Bueno, head de sustentabilidade do Santander; Francine Lemos, diretora-executiva do Sistema B no Brasil e Niky Fabiancic, coordenador do Sistema ONU no Brasil.

Durante o evento, também foi lançada a ferramenta SDG Action Manager. Uma solução online e gratuita criada em parceria com o B Lab e SISTEMA B. A plataforma foi pensada auxiliar na indicação de melhores oportunidades de negócio e possíveis formas de aplicação, tudo para facilitar que empresas estejam ainda mais alinhadas com os ODS. A SDG Action Manager está disponível em cinco idiomas pode ser utilizada por empresas de todos os tamanhos e todo mundo.

REDE BRASIL DO PACTO GLOBAL - ECOERA

Também tivemos a oportunidade de acompanhar o lançamento do movimento EQUIDADE É PRIORIDADE. Um movimento que luta por mais mulheres ocupando cargos de liderança. De acordo com a pesquisa International Business Report (IBR) – Women in Business, em 2017, apenas 16% dos cargos de CEO e diretoria no Brasil eram ocupados por mulheres.

Segundo Niky Fabiancic, coordenador do Sistema ONU no Brasil:

As mulheres são maioria e, ainda assim, ocupam menos cargos de liderança e estão presentes em menos cargos políticos“.

Para transformar essa realidade e torná-la possível, precisamos implementar políticas e incentivos internos em empresas de todos os setores.

Para o encerramento, Niky Fabiancic falou sobre os 75 anos da ONU e a importância de tantas conquistas alcançadas. Destacando que só conseguiremos atingir os objetivos que precisamos, se trabalharmos de forma conjunta.

Para isso, a ONU deve realizar consultas públicas em todo o mundo. Através de ferramentas interativas, como a que foi acessada pelos que estravam presentes no evento e contou com a coparticipação para a discussão do que cada um acredita ser imprescindível para um futuro melhor para todos.

Vamos juntos!

Foto: ONU | Pacto Global | Sistema B | Chiara Gadaleta

Fonte: Pacto Global